Categoria: Saude

IDEIAS PARA VIAJAR NO TEMPO DURANTE O DISTANCIAMENTO SOCIAL

Por Beautyslime

Estamos recolhidos para evitar o contágio com a COVID-19, a versão atual do coronavírus que se alastrou pelo mundo nos últimos meses e para a qual, infelizmente, ainda não existe um remédio já testado e comprovadamente eficaz para o tratamento.

Generalizou-se chamar de quarentena esse período, mas a maioria das pessoas está em distanciamento social, tentando reduzir o risco de transmissão. Em “quarenta” está quem teve contato com alguém que tem o vírus. E em isolamento, de fato, estão aquelas pessoas que testaram positivo para a COVID-19.

Além das medidas de higiene, como lavar as mãos regularmente e higienizá-las com álcool gel, o distanciamento social é o melhor que podemos fazer no momento para evitar a propagação da doença. Ficando em casa estaremos nos protegendo e protegendo também as outras pessoas.

Muita gente ficou em dúvida quando surgiu esse termo “quarenta”, pensando se ficaremos em casa por quarenta dias. As coisas não são bem assim.

O termo quarentena se aplica a todas as situações de confinamento em que é necessário isolar alguém que teve contato com alguma doença que pode se propagar e contaminar um grande grupo de pessoas.

O termo vem da Idade Média e foi assim nominado porque os navios que chegavam aos portos na Europa, vindos de regiões onde havia algum surto epidemiológico, tinham que cumprir o período de quarenta dias de isolamento.

No contexto atual do coronavírus o período médio de quarentena é de 14 dias. A duração do período de distanciamento social dependerá do histórico da evolução e do controle e da propagação do vírus.

Buscar conhecer a origem das coisas é uma das formas mais seguras e interessantes de nos prepararmos para qualquer situação que requeira de nós algum posicionamento. O conhecimento é um bem precioso e nos dá muito mais autonomia do que podemos imaginar.

Sendo assim, que tal aproveitar esse momento, em que estar em casa com a família é o melhor que podemos fazer por nossa saúde e pela saúde dos outros, para criar atividades coletivas que sejam lúdicas, didáticas, aprimorem o conhecimento e que ajudem o tempo a passar de forma agradável e útil?

Pensamos em três atividades, todas relacionadas à preservação da memória tanto familiar quanto cultural.

Hoje, quando se fala em memória, a primeira ideia que nos vem à mente é a quantidade de megabytes que têm os aparelhos celulares, e isso não poderia ser diferente.

Estamos vivendo em um mundo em que o protagonismo dos aparelhos celulares é irreversível e inevitável e também muito útil. Já pensou viver o distanciamento social sem as várias possibilidades de comunicação e interação por meio dos celulares? Impensável!

Atualmente, por incrível que possa parecer, a maioria das pessoas está mais focada em “ter mais memória” para interagir e cada vez menos interessada em preservar a memória e a história das quais fazemos parte.

Assim, a primeira atividade que vamos sugerir é que você proponha aos seus companheiros de recolhimento, especialmente os pequenos, que criem juntos um DIÁRIO DE BORDO dessa experiência, chamando-a de distanciamento, quarentena ou como vocês quiserem.

Pode ser escrito em um caderno, criado em um arquivo de Word ou até no celular. O importante é que cada pessoa da família colabore com seu ponto de vista e contribua com dados que ache relevantes para preservar a memória desse momento de transição.

Vale usar fotos, vídeos, áudios, recortes de notícias, desenhos, histórias em quadrinho, relato dos jogos e brincadeiras que mais ajudaram a passar o tempo. Estamos resguardados, mas a imaginação não está!

A segunda atividade que pensamos é a criação de um painel com a ÁRVORE GENEALÓGICA DA FAMÍLIA, com fotos, nomes, pequenas biografias contando quem é ou era aquela pessoa, suas atividades, seu humor, curiosidades etc.

Se for criada em um laptop ou tablet, essa árvore genealógica pode ser “animada”, ter pequenos vídeos, depoimentos. Aqui também vale todo tipo de material.

Além de se divertirem muito, você estará ajudando seus filhos a saberem mais sobre sua família; e isso, certamente, os ajudará a saberem muito mais sobre si mesmos.

E por último, pensamos em uma brincadeira que costuma ser muito legal e até causar espanto aos mais novos: UMA VIAGEM AO TEMPO PELA HISTÓRIA DOS APARELHOS ELETRÔNICOS.

A brincadeira não precisa ter esse nome, batize-a como você achar mais legal. A ideia é apresentar para as crianças a origem dos produtos que foram tendo suas funções incorporadas ao celular.

Você pode começar a brincadeira dizendo algo mais ou menos assim:

“Hoje o aparelho celular toca música, tira e armazena fotos, troca informações por mensagem de texto, faz pesquisas e até, embora esteja meio fora de uso, faz chamadas de voz. Sabia que, não faz muito tempo, para fazer tudo o que o aparelho celular faz, era preciso vários aparelhos?”

Em seguida, vocês podem usar o próprio celular para buscar na internet fotos e informações sobre os equipamentos que fazem parte dessa história.

Comece a viagem pelos aparelhos “3 em 1”, os bisavôs dos aparelhos multifuncionais e que existem desde os anos 1950, no século passado.

Depois busque aparelhos como o telefone fixo com fio, os “tijolões” que eram as primeiras gerações de celulares; as câmeras fotográficas com lentes cambiáveis e que tiravam fotos que precisavam ser reveladas; os aparelhos gravadores portáteis; as fitas cassete para os gravadores; as pilhas enormes que esses aparelhos usavam.

Sobre todos esses aparelhos e muitos outros, há histórias bem interessantes sobre a origem e o contexto histórico.

Provavelmente a maioria das crianças não sabe que “antigamente” existiam os walkmans, aparelhos portáteis criados pela Sony, e que permitiam ouvir fitas cassete, quando era essa forma de armazenar música. Depois que os CDs se popularizaram, nos anos 1980, a Sony lançou o discman.

Aproveite que estará falando sobre o CD para apresentar sua coleção de vinil ou alguma coleção interessante que encontre na internet.

Você pode encerrar essa viagem ao passado dos aparelhos eletrônicos falando daqueles estranhos objetos que eram processador de texto com teclados mecânicos e impressora ao mesmo tempo, e não eram alimentados por energia elétrica nem por bateria: as máquinas de escrever, que têm a configuração como a conhecemos desde o século XIX.

Talvez existam em sua casa ou na casa dos avós de seus filhos alguns aparelhos desses como relíquia, guardados no canto de uma garagem ou em algum quarto de despensa.

Quem sabe quando vocês voltarem dessa viagem ao tempo já tenhamos boas e concretas notícias sobre a evolução das pesquisas para o combate e a cura do coronavírus!

Tomara!

Boa viagem!!!

O Coronavírus está mudando o mundo.

Por Beautyslime

O mundo não será mais o mesmo depois do Coronavírus. È a primeira vez que as gerações que nasceram depois da Segunda Grande Guerra, no século passado, estão se deparando com uma comoção mundial.

È frustrante para a maioria das pessoas, mas ainda é cedo para sabermos quase tudo o que gostaríamos de saber sobre o Coronavírus: em quanto tempo sua propagação será controlada, quando haverá uma vacina eficaz, se há algum remédio que possa combatê-lo… essas são apenas algumas das questões que terão que esperar um pouco mais de tempo para serem respondidas.

Os principais cientistas do mundo estão voltados nessa direção e as pesquisas estão evoluindo, mas a resposta definitiva virá quando ela for segura. Tomara que seja em breve.

Apesar da velocidade em que a tecnologia colocou quase todas as questões contemporâneas, não é possível e nem responsável a ciência criar um antídoto eficiente e seguro com a mesma rapidez com a qual temos lidando com quase tudo a nossa volta.

E será que essa forma tão veloz é a melhor e a que nos fará mais felizes? Talvez seja um bom momento para pensar nisso.

Há uma avalanche de especulações e informações desencontradas sobre o Coronavírus que só geram pânico; principalmente as difundidas nas redes sociais de forma aleatória. Qualquer dúvida deve ser esclarecida com os médicos em quem confiamos e fontes seguras e oficiais; especialmente nos sites do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde.

Porém, algumas coisas que já podemos afirmar: embora o risco maior esteja entre os idosos e as pessoas que tenham alguma fragilidade de saúde causada por outras questões, TODOS estamos potencialmente sujeitos a sermos acometidos pelo Coronavírus. Inclusive os jovens; tanto no que diz respeito a ficar doente quanto como potenciais agentes de propagação do vírus.

Embora para a grande maioria das pessoas, fala-se em 80% das pessoas infectadas, as chances do Corinavírus provocar algo semelhante a um forte resfriado serem grandes, isso não quer dizer que não se deva respeitar as orientações de proteção e higiene para evitar o contágio, medidas que são bem fáceis de atender.

Apesar das dúvidas, dos temores e da propagação do Coronavírus, também está se espalhando pelo mundo um sentimento de solidariedade que tem a chance de nos colocar em um outro patamar de interação com o próximo, com nós mesmos, com o trabalho e com o Planeta.

Mesmo sendo um momento tão delicado, as ações amorosas e humanitárias estão nos mostrando que é possível mudar o mundo para um lugar mais afetivo, colaborativo e menos predador das relações humanas e dos recursos naturais.

Aplausos coletivos às equipes de saúde, cantoras e cantores oferecendo seus talentos pelas janelas de suas casas e pela internet, vizinhos colocando nos elevadores cartazes feitos à mão oferecendo ações comunitárias, rodas globais de orações independente da fé que se pratique… essas são apenas algumas das camadas de esperança que já se pode observar e que estão tomando conta do mundo e ajudando a apaziguar essa travessia.

Além do uso constante de luvas e álcool gel e dos outros procedimentos de proteção, estamos vivendo um inédito período de quarentena; onde ficar em casa é o melhor que podemos e devemos fazer para nos protegermos.

Atentas a nova necessidade dos consumidores e observando determinações oficiais, a maioria das empresas que prestam serviços às comunidades estão revendo ou aperfeiçoando sua forma de interação com os clientes.

As relações de trabalho estão se adaptando. Graças à tecnologia, o homeoffice, que já funcionava bem em algumas atividades, está se expandindo a algumas áreas que ainda não faziam uso regular dessa possibilidade. Ferramentas da Microsoft e da Cisco Webex, que ajudam a aprimorar o home-office, podem ser consultadas sem custo.

Confira algumas das opções que podem ajudar a deixar o período de quarentena mais confortável e agradável.

As entregas pelo delivery se intensificaram para os ramos de negócio que ainda relutavam a aderir ao sistema. Está se incentivando que se tente, na medida do possível, usar os serviços das empresas locais (padarias, cafés, livrarias) para estimular a manutenção dos estabelecimentos que estão fechados para o público e os empregos de seus funcionários. Isso também é uma forma de solidariedade.

Operadoras, como a Sky, Vivo, Globoplay, Disney e Pixar liberaram canais e alguns block-busters. Há canais de jogos eletrônicos para todas as idades disponibilizando suas atrações. Ligas esportivas como a NBA League Pass abriram seus sinais.

È possível praticar yoga ou fazer terapia on-line com profissionais que sociabilizaram suas aulas e sessões de atendimento. Há varias opções na Internet.

Alguns cursos de idiomas e curso livres de universidades como a Harvard estão abertos ao público durante a quarentena. O SESI está oferecendo formação técnica virtual para áreas onde isso também é possível.

A Amazon disponibilizou uma verdadeira biblioteca virtual, com histórias para todos os gostos. Além dos livros, que são excelentes companheiros para todas as horas, há outras formas de preencher a quarentena com atividades culturais.

Que tal ajudar o tempo a passar mais rápido levando a família para fazer uma visita virtual aos grandes museus do mundo? Já pensou ver a Monalisa no Louvre, na França ? Ou a sessão egípcia do British Museum, de Londres? A sensacional sessão de arte africana do Metropolitam Museum que fica em Nova York? Esses são apenas alguns dos museus que se pode visitar virtualmente e que estão com seus conteúdos parcial ou totalmente liberados.

Há canais de shows de grandes artistas, peças de teatro e acervos de filmes por gênero que também se pode curtir.

Além das medidas de segurança, a educação, a cultura, as boas ações compartilhadas são as melhores formas de nos ajudar a tentar manter a serenidade que o mundo precisa para se curar.

Que o MELHOR sempre aconteça!

HORA DE FICAR EM CASA: QUE TAL LER UM BOM LIVRO PARA OS PEQUENOS?

Por Beautyslime

O Cornavírus chegou ao Brasil. O momento é de muito atenção com a saúde. Ainda não se sabe ao certo qual será a dimensão da disseminação do vírus entre nós. Torcemos para que ela seja controlada com a maior rapidez o possível.

Trata-se da primeira grande pandemia mundial em tempos de redes sociais; para o bem e para o mal.

Ao mesmo tempo em que as informações importantes e necessárias se propagam com grande velocidade, o que é ótimo, há também a disseminação veloz de muitas fake news que estão gerando dúvidas e podem levar ao pânico.

O pânico não ajudará a nos protegermos do Coronavírus!

Já falamos aqui que em caso de suspeita o melhor que se tem a fazer é observar, reportar o assunto a um médico de sua confiança rapidamente e buscar com ele a orientação sobre o que deve ser feito.

Todas as autoridades e profissionais de notório saber sobre o assunto são unanimes em pedir que se evite ir aos Postos de Atendimento se não tiver confirmação de que isso é absolutamente necessário.

As autoridades pedem também que se mantenham alguns procedimentos que, na verdade, deveriam fazer parte dos hábitos de todos nós, independente de qualquer surto viral: lavar as mãos com frequência, higienizá-las e aos punhos com gel em composição adequada, espirrar ou tossir protegendo o nariz e a boca com o cotovelo dobrado… e evitar aglomerações!

Esse é um bom momento para ficarmos mais em casa. E para conviver mais com a família,
propor as crianças atividades lúdicas e divertidas e que ajudem as horas a passarem de forma amorosa e prazerosa.

Que tal preencher esse tempo a mais que ficaremos em casa com uma boa leitura para os pequenos?

Fizemos uma seleção especial de livros que grandes nomes da literatura brasileira que se dedicaram a criar histórias, de excelente qualidade, para as crianças.

Tomara que a literatura nos ajude a atravessar essa experiência com mais serenidade!

“A mulher que matou os peixes”, Clarice Lispector – Logo no começo a autora/personagem já confessa aos leitores que foi ela mesma, que está contando a historia, quem matou os peixes. È claro que foi sem querer. Enquanto constrói a narrativa, Clarice reflete sobre a importante relação de afeto entre os animais e os seres humanos. A edição, da Editora Rocco, traz ilustrações criadas pela própria Clarice Lispector.

“O Menino Mágico”, Raquel de Queiroz – Uma das maiores escritoras brasileiras dedicou toda uma coleção para as crianças e jovens. Vamos destacar aqui o livro que conta a historia genial de Daniel, um garoto de seis anos, que era mágico sem ter aprendido a fazer mágicas. Estranhamente, Daniel acorda numa outra cama de sua casa, diferente da que ele tinha se deitado. Muito mistério e diversão para falar de coisas muito importantes para as crianças. Editora Caramelo.

“Uma ideia toda Azul”, Marina Colassanti – O livro, publicado pelo Grupo Editorial Global, traz uma seleção de contos criados por Marina Colassanti, com narrativa ágil, atraente e bem-humorada. È uma excelente chance para apresentar para as crianças a narrativa mais curta do conto. O livro recebeu o Prêmio APCA, da Associação Paulista dos Críticos de Arte de São Paulo.

“Ou isso ou aquilo”, Cecília Meireles – Os poemas de Cecília Meireles encantam o mundo adulto já faz algumas décadas. Esse seu livro para crianças, também. Ao longo do livro, o poema vai refletindo com elegância e delicadeza sobre algumas contradições e questões do cotidiano; confirmando a máxima que diz que não existe ‘jeito certo, e sim jeito próprio de ser’. Grupo Editorial Global.

“A Arca de Noé”, Vinicius de Moraes – Vinicius de Moraes, um dos principais compositores e nomes da cultura brasileira, também criou vários projetos para crianças. Sua famosa arca de Noé, ‘carrega’ 32 poemas que trazem lindas historias sobre animais. O projeto já foi musicado pelo próprio Vinicius, virou peça de teatro, programa de televisão e é uma ótima opção de diversão para todas as idades. Uma das edições disponíveis é da Editora Saraiva.

“Chapeuzinho Amarelo”, Chico Buarque de Holanda – outro grande nome da música popular brasileira e que também faz livros para adultos, Chico Buarque, criou um projeto muito legal para os pequenos. Trata-se de outra versão de Chapeuzinho Vermelho. Diferente da destemida Chapeuzinho de Charles Perrault, a Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque começa a sua historia ‘amarelada de medo’. Será que ela ficará assim até o final? A edição da Editora Autentica foi ilustrada por Ziraldo; o ‘pai’ do Menino Maluquinho.

‘As Frangas’, de Caio Fernando Abreu – o escritor deixou como parte de sua obra a aventura intrigante de oito galinhas que dividiam a vida em cima de uma geladeira. Com humor e respeito aos temas de formação para as crianças, Caio Fernand Abreu costura nessa narrativa, ilustrada pela artista Suppa, algumas memórias de sua infância. Editora Nova Fronteira.

Como se proteger do Coronavírus?

Por Beautyslime

O mundo está às voltas com mais um surto de propagação do Coronavírus, que causa infecções respiratórias que variam de um simples estado gripal a pneumonia que pode ser fatal.
Até agora, os dados divulgados registram que há no mundo cerca de 80 mil pessoas infectadas. Além da China, onde teve origem, o Coronavírus já foi detectado em mais de 40 países, inclusive no Brasil.
Está praticamente impossível acessar a internet, ligar a TV, passar em frente a uma banca de jornal, participar de um grupo de WhatsApp da família e não se deparar com questões que, claro, podem gerar dúvidas e algum temor, ainda mais para quem tem filhos.
Trata-se de uma epidemia? O que fazer para se proteger? Como agir caso haja alguma suspeita? Devo evitar viagens? Posso continuar levando as crianças para a escola? Já existe vacina contra o Coronavírus?
É muito interessante observar as ondas de propagação em curso. Tanto o movimento migratório dos vírus em um mundo globalizado e onde as pessoas viajam cada vez mais, quanto à forma alarmista como se espalham fake news e informações contraditórias que só fazem espalhar o pânico.
O historiador israelense Yuval Noah Harari, em um de seus best-sellers, “Homo Deus – uma breve história sobre o amanhã”, nos conta que, na Idade Média, enquanto as pessoas fugiam em pânico dos focos de concentração da peste bubônica, mal sabiam que esse processo migratório, na maioria dos casos, estava servindo para propagar a doença.
A precipitação e a desinformação, quase sempre, costumam piorar algo que poderia ser controlado com um entendimento mais responsável e ações afirmativas relativamente simples.
Hoje, com o avanço da ciência, sabemos que com a rapidez que se consegue criar vacinas, o controle das doenças é feito com muito mais agilidade e eficiência.
O mais importante a se fazer em um momento como o que estamos vivendo em relação ao Coronavírus é buscar em fontes confiáveis informações que tirem dúvidas e ajudem a proteger da contaminação.
Uma dessas fontes é o site oficial do Ministério da Saúde, que traz algumas páginas bastante esclarecedoras sobre “quem é” o vírus, sua origem na China, como ele atua, os males que ele pode causar e o que está sendo feito para combatê-lo.
Lá encontra-se, por exemplo, um histórico da evolução do vírus desde que ele foi isolado pela primeira vez em 1937 e a sua forma de propagação.
O Ministério da Saúde acaba de lançar um aplicativo para aqueles que desejam se atualizar e acompanhar a evolução das informações confiáveis sobre o vírus e também saber sobre a evolução de sua propagação.
O renomado Doutor Drauzio Varella, no seu interessante canal no YouTube, nos ajuda a entender que, originalmente, o Coronavírus infecta alguns animais, morcegos, aves e que só chega aos seres humanos quando sofre mutação.
As fontes nos mostram que, embora os estudos para isso estejam bastante adiantados, os cientistas ainda não conhecem totalmente o vírus. A criação de uma vacina já está sendo estudada, mas ainda não se chegou a ela.
Por meio dessas fontes ficamos sabendo, também, que o Coronavírus é facilmente transmissível. Mas que, em 80% dos casos, a infecção se manifesta com o padrão de um resfriado, com tosse, espirros e febre leve. Até o momento, apenas em 3% dos casos de contaminação o Coronavírus provocou morte.
Se por acaso seus filhos ou alguém de sua família manifestar os sintomas que levem a achar que houve contaminação, o mais importante é reportar os detalhes dessa manifestação ao
pediatra ou médico de sua confiança e, juntos, vocês avaliarem se é o caso de ir a um pronto-socorro ou o que fazer.
É importante estar atento se a pessoa em quem se manifestam esses sintomas esteve em contato com alguém em quem, de fato, a infecção foi comprovada.
E como falar e agir com as crianças em relação a esse assunto?
O melhor, como sempre, é não alarmá-las e esperar que elas manifestem suas dúvidas sem sobrecarregá-las com informações.
E como se proteger da contaminação?
Todas as fontes são unânimes em afirmar que manter alguns cuidados regulares com a higiene nos protege não só do Coronavírus, mas de muitas outras doenças e possibilidades de contaminação.
Veja a seguir alguns desses cuidados:
– O mais importante deles, por incrível que possa parecer, é lavar sempre as mãos;
– Um outro cuidado é evitar passar as mãos na boca, nos olhos e nos ouvidos, que são pontos de acesso para o interior do corpo;
– Evitar espirrar ou tossir sem proteger quem está à sua volta de uma eventual contaminação;
– Usar lenços descartáveis e descartá-los de fato após o primeiro uso;
– Ter sempre álcool gel por perto para higienizar as mãos, especialmente quando for interagir em ambientes coletivos e públicos;
– Na dúvida, buscar esclarecimento confiável o mais rápido o possível, para tomar as medidas necessárias, se for o caso;
– Tentar lidar com as dúvidas com proatividade, mas também com serenidade.
É preciso estar atento! Mas não entrar em pânico nem se deixar levar por versões alarmistas que só fazem tirar o foco da solução do problema!
*Fontes: https://saude.gov.br/ e canal do Youtube Drauzio Varella: https://www.youtube.com/watch?v=BA9NE59SV_o