Categoria: Pais e filhos

Animais de estimação: os gatos!

Por Beautyslime

No texto do blog anterior falamos sobre as vantagens de se ter um animal de estimação por perto e o quanto essa relação afetiva pode ser saudável e educativa, especialmente para as crianças, mas não só para elas.

Havíamos apresentado alguns aspectos da relação entre as crianças e os cachorros focando especialmente na ideia de que ao se dispor a cuidar de um cãozinho, a criança estará aprendendo a se cuidar também e a prestar mais atenção nas relações afetivas e sociais à sua volta.

Cuidar de outro ser vivo de quem se gosta é uma experiência que enriquece o aprendizado e torna a pessoa mais preparada para os desafios de todas as fases da vida.

Neste texto falaremos para aquelas pessoas que estão querendo ter um bichinho de estimação para chamar de seu, mas que preferem os gatos.

Muitos dos detalhes que apresentamos no texto anterior, para quem escolheu um cachorro, valem também para os que pensam que um gato é a opção mais adequada.

Se você ainda não leu o texto, poderá acessá-lo aqui: (link para o texto do blog anterior)

Vamos aos gatos de estimação!

O gato é o segundo animal de estimação preferido pelo mundo contemporâneo. O primeiro é o peixe ornamental.

As fontes divergem um pouco sobre qual seria o momento da história em que os gatos foram domesticados. Fala-se até em quase dez mil aos atrás. Provavelmente, os gatos domésticos que conhecemos hoje descendem dos gatos do oriente médio e aparecem em registros mais frequentes nos últimos quatro mil anos.

Há uma certa aura de mistério em relação aos gatos. Eles são conhecidos em algumas culturas como seres mitológicos, com poderes sobrenaturais e carregados de simbologia.

No Egito Antigo, por exemplo, gatos eram reverenciados como verdadeiros deuses. Há imagens dos bichanos em situações de destaque em vários registros da época.

Assim como os cachorros, os gatos podem viver uma média de 15 anos. Há cerca de 200 raças distintas com características comportamentais especificas e que podem combinar com todo tipo de comportamento. Há gatos companheiros para todos os estilos.

Como falamos sobre os cachorros, em relação aos bichanos, também é possível optar por adotar um gato vira-lata. Essa é uma ótima opção; inclusive sobre o ponto de vista ecológico.

Além de muito fofos e carinhosos, os gatos são extremamente charmosos e, quase sempre, discretos. Poucos animais são tão independentes quanto os gatos.

Mesmo domesticados, mantém o instinto da caça à flor da pele e isso os torna curiosos e excelentes exploradores de ambientes desconhecidos. Por causa disso, inclusive, é importante para quem mora em apartamento, instalar telas de proteção nas janelas e varandas antes de levar o gato para casa.

A agilidade é uma outra característica comum a todos os gatos; tanto os de raça quando os vira-lata. São facilmente amestráveis e a higiene dos bichanos é impressionante. Eles detestam viver em lugares sujos e estão sempre cuidando da própria limpeza.

Há um certo mito em torno da independência dos gatos. Eles são, de fato, muito autônomos e independentes; mas isso não significa que não gostem de receber ou dar carinho e que prefiram ficar sozinhos por longos períodos de tempo.

Encontrar e equilíbrio entre a quantidade de carinho e de companhia que um gato pede e também permitir que ele exerça a sua individualidade, é um capítulo muito interessante na relação entre as crianças e os animais. E poderá gerar um aprendizado que, certamente, ajudará a criança a buscar esse mesmo equilíbrio em sua vida afetiva em todos os ambientes: em casa, com os amiguinhos, na escola.

Falamos primeiro sobre a escolha de um cãozinho como animal de estimação e agora estamos apresentando os bichanos como opção. Você pode estar se perguntando: “Será que é possível ter um cachorro e um gato de estimação ao mesmo tempo?” Talvez seja essa a sua vontade ou a vontade de seus filhos.

Claro que isso é possível! Mas é importante tomar alguns cuidados. Há ditado popular, tido como um pouco preconceituoso, que diz “brigam como cão e gato”. Mas como todos os ditados populares, ele não deve ser ignorado sem que antes se reflita sobre seu conteúdo sem preconceito.

Os gatos e os cachorros são animais de espécies diferentes. Ambos são territorialistas,
Inclusive no que diz respeito aos afetos. È importante que você e sua família estejam bem seguros de que essa é a melhor opção e que tentem passar essa segurança para aos animais.

Ainda assim, tudo deve ser feito com muito cuidado e gradativamente, respeitando as características e a personalidade dos dois bichinhos, mantendo espaço garantido para cada um continuar sendo o que é e ter os cuidados e atenção que estavam acostumados antes da chegada do outro, caso já haja um dos dois animais em sua casa.

Há vários tutoriais na Internet que trazem informações sobre isso. Mas o acompanhamento de um profissional especializado em comportamento animal é o mais indicado.

Esteja atenta aos detalhes e aproveitem ao máximo tanto as delícias quanto ao aprendizado que pode ser ter um ou mais animais de estimação!

Aprendendo com os animais de estimação!

Por Beautyslime

Está pensando em dar de presente um bichinho de estimação para seus filhos? Mesmo que não tenha sido você quem tenha pensado nisso, que essa ideia tenha partido deles, é bem difícil que uma família com uma ou mais crianças, ainda não tenha se deparado com essa questão.

Bons motivos não faltam!

A cada esquina, está cada vez mais comum se deparar com crianças, jovens, adultos e idosos se divertindo muito ao passear seus cães; e conversando com eles, interagindo com outras pessoas que amam os cachorros.

Além disso, basta sair à rua para encontrar uma placa anunciando a existência de um petshop. Eles estão por toda parte.

Esse assunto, a relação das pessoas com seus animais de estimação, rendem ótimas possibilidades de reflexão. Nesta semana, falaremos sobre os cachorros. Na próxima, será a vez dos gatos.

Para além da diversão de ter um cachorro brincalhão abanando o rabo, fazendo caras, bocas, ou alguma arte pela casa, cultivar uma relação com um “amor de quatro patas” é uma das experiências mais enriquecedoras e saudáveis que podemos ter; ou que se pode oferecer para a alegria e o desenvolvimento afetivo dos pequenos.

Ao abrirmos o nosso coração e a nossa casa para acolher um cachorro, pode ter certeza que essa escolha foi feita também pelo ‘dog’. Sim, nós também fomos escolhidos para sermos acolhidos, educados e cuidados.

Assim como os filhos para os pais, os animais de estimação para os filhos, para toda a família, na verdade, funcionam como uma experiência transformadora onde dar e receber, aprender e ensinar são potencialidades de todos os envolvidos.

Dizem algumas fontes que o cachorro, que é uma subespécie do lobo, foi uma das primeiras espécies domesticadas pelos seres humanos. Sorte nossa! Que ganhamos uma enorme possibilidade de aprender mais sobre nós mesmo.

Tudo começa com a escolha do cão!

Existem mais de trezentas raças de cachorro que formam criada para atender as mais diversas necessidades de interação com os humanos ao longo da história. Há cães de guarda, para companhia, que adoram crianças, etc.

Com uma rápida pesquisa na internet, visitas à petshops e as feiras de filhotes e também conversando com veterinários, você certamente encontrará a raça que mais combina com o contexto de sua família.

Mas há ainda uma possibilidade especial de se adotar um cão vira-lata; muitas vezes recolhido de maus-tratos e que não tinha se quer comer.

Optando por essa adoção, além de ajudar a salvar a vida de um ser indefeso, você já estará tomando uma atitude sustentável e que interage com o respeito, ética e o exercício da cidadania.
Sendo o cachorro escolhido um vira-lata “muito fofo” ou um cão de raça também “muito fofo”, afinal, ele não tem culpa de ter nascido assim, os próximos passos dos cuidados preliminares, se forem dados junto com as crianças, estarão mostrando a elas vários dos temas com os quais ela irá se deparar pela vida.

Desde os cuidados com as vacinas e exame físico, com a adequação da casa à chegada do novo ser vivo que tem rabo, que nunca conviveu com as pessoas que lá estarão, isso já envolve várias camadas de aprendizado.

Ensinar um pet a fazer as necessidades fisiológicas no lugar adequado também poderá ser uma grande aventura!

Ao educarmos um cachorro, o que muitas pessoas chamam de adestramento, estaremos mostrando a ele que há limites no mundo, que ele não está sozinho, que pode contar com você e com os outros a sua volta para o que der é vier. Saber de tudo isso, certamente, tornará esse ser vivo mais seguro e feliz.

Esses dois parágrafos acima poderiam muito bem ser usados também para falar da nossa sobre a relação com a educação das crianças, não é?

Pense o quanto pode ser didático, ilustrativo, afetivo e divertido para as crianças ajudarem a alimentar, manter a água fresca e limpa e dar outros passos com os cuidados e a educação do seu novo cachorrinho.

Há alguns mitos sobre os quais gostaríamos de refletir também. Como dissemos antes, os cachorros foram domesticados em centenas de raças com características diferentes. Há afirmações, corretas, que uma determinada raça é muita agitada, que outra gosta de água, ou que destrói tudo o que vê pela frente, que tem tendência a engordar ou ainda que não é possível adestrá-la.

Algumas dessas afirmações são, de fato, bastante comuns; especialmente, sobre determinadas raças gostarem ou não de água ou serem ótimas companheiras para brincadeiras.

Agora, sobre ser impossível adestrar ou controlar a alimentação para que o cachorro não fique obeso, isso não é totalmente verdade.

Esses detalhes dependerão muito do empenho e da forma correta de ensinar as boas maneiras ao animal ou o controle das dietas. Além dos profissionais especializados, existem vários tutoriais na Internet com dicas preciosas sobre como educar os cachorros.

Os pets costumam ser excelentes companhias! Não só para as crianças, mas em todas as fases da vida; inclusive na terceira idade.

Agora é só escolher a melhor opção para o contexto de sua família, prepara a casa e principalmente o coração para viver essa aventura!

Boa sorte!

VIVA MONTEIRO LOBATO!

Por Beautyslime

Todos sabemos que a literatura muda tudo para melhor.
Ler amplia os horizontes, o entendimento e, por meio do conteúdo divertido, profundo e reflexivo, ajuda as pessoas a terem mais chances de se destacar nas profissões que escolherem.
Também não é segredo para ninguém que ler para os filhos contribui para despertar neles o interesse pela leitura, além, é claro, de todas as outras camadas lúdicas e afetivas que estão presentes nesse gesto.
É amplamente divulgado que o Brasil se orgulha de ter uma das literaturas infanto-juvenis mais diversas, criativas, inclusivas, reflexivas e que não subestima o conteúdo e nem a capacidade de entendimento e o senso crítico dos pequenos leitores.
O que pouco se fala atualmente é que o precursor da literatura brasileira moderna para os pequenos, como a conhecemos hoje, é o genial Monteiro Lobato, através de sua monumental obra O Sítio do Pica-pau Amarelo.
Lobato nasceu em 1882 e escreveu seus livros infantis na primeira metade do século XX. Suas histórias continuam agradando com se tivessem sido escritas hoje.
Ele fez questão de escrever “com o DNA brasileiro”, porém mantendo conteúdo de interesse universal. Em suas aventuras, sempre com linguagem ágil e irreverente, o autor apresenta muitos dos aspectos da cultura nacional que a tornam tão especial.
Ao levar para os livros o nosso folclore e personagens como Narizinho e Pedrinho, crianças tipicamente brasileiras, Lobato contribui para que, desde pequenos, possamos contextualizar a nossa existência como membros de uma cultura própria e que deve ser respeitada.
Sem contar que o autor teve a brilhante ideia de “inventar” uma das mais encantadoras personagens da literatura mundial, Emília, a boneca-gente, que para muitos é a voz e o ponto de vista do próprio Lobato nas aventuras.
Não há quem não se encante com o olhar livre e curioso de Emília para o mundo, mas também todos admiram o senso crítico e a impaciência dela quando percebe algo que considera errado, ou está diante de alguma injustiça.
É muito interessante a maneira como o autor deu origens às aventuras do Sítio do Pica-pau Amarelo.
Na verdade, ele já contava para seus filhos o embrião dessas histórias que depois vão aparecer nos livros, quando a família morava em uma fazenda no interior de São Paulo. Foi quando se mudou para a capital, para trabalhar como jornalista, que tudo começou.
Lobato estava enfrentando problemas financeiros e precisava encontrar alternativas para sustentar sua família.
Sim! Os gênios também têm problemas financeiros!
Perambulando pela metrópole, ele se indignou ao ver os parques e as praças decorados com estátuas de gnomos e duendes e nenhuma imagem, por exemplo, do Saci, e resolveu criar uma história sobre ele.
Tudo começou com uma reportagem de jornal em que Monteiro Lobato pedia aos leitores que enviassem cartas dizendo tudo o que sabiam sobre o Saci.
A redação recebeu muitas cartas. No ano seguinte, empolgado com o resultado, Lobato resolveu escrever o livro “O Sacy-Pererê, resultado de um inquérito”.
O livro fez muito sucesso! Mais do que o trabalho no jornal, foi a história do Saci que ajudou o escritor a sair dos problemas financeiros.
Pesquisando um pouco mais sobre a vida e a obra de Monteiro Lobato, descobre-se também que para além da ficção, a vida dele era um exemplo de alguém que estava sempre disposto a se superar e a fazer o melhor para tornar seus sonhos realidade.
Ele nunca teve medo de ousar, mesmo que cometesse alguns erros com essa ousadia.
Lobato foi um garoto muito criativo, brincalhão, irreverente e até um pouco indisciplinado na escola. Por incrível que possa parecer, nos primeiros anos escolares, ele não ia muito bem… em português! Mas depois, quando tomou gosto pela magia das palavras, tornou-se o grande autor que conhecemos hoje.
O escritor enfrentou algumas outras crises financeiras. Mas nenhuma delas o fez desistir. Pelo contrário, sempre encontrou uma forma de usar as crises para aprender a corrigir erros e se superar.
Ele teve também algumas grandes tristezas. Enquanto escrevia sua obra para crianças, conviveu com a doença e a perda de filhos para doenças como a tuberculose.
Voltando a falar sobre O Sítio do Pica-pau Amarelo, ainda hoje, não há uma obra tão completa e diversa que apresente os grandes temas da humanidade para os pequenos como os livros de Lobato.
As aventuras de Narizinho, Emília, Dona Benta, Tia Nastácia e Visconde de Sabugosa vão desde “O Reino das Águas Claras”, no fundo de um ribeirão, até “O País da Gramática”, passando por uma viagem espacial, pela mitologia grega e por grandes guerras.
Sob o ponto de vista comportamental, todos os personagens vivem conflitos existenciais, acompanham dilemas éticos, passam por provações, superam obstáculos, colaboram uns com os outros para buscar as melhores soluções e saem das aventuras ainda mais preparados para a vida do que quando entraram.
Todas as aventuras têm como ponto de partida e de retorno o Sítio do Pica-pau Amarelo.
A modernidade de Lobato aparece de várias formas em sua obra. Por exemplo, ele foi o primeiro autor a apresentar uma mulher à frente de seu tempo para as crianças: Dona Benta.
A avó de Narizinho e de Pedrinho é uma latifundiária bem-sucedida, independente, culta, e preserva uma bela amizade com Tia Nastácia, que detém um saber popular e que enriquece a cultura e a maneira de Dona Benta enfrentar os problemas.
A não ser pelo garoto Pedrinho, os outros personagens fixos que protagonizam as aventuras são a menina Narizinho e a boneca Emília. Um universo em que o feminino está muito bem representado, diga-se de passagem.
Até a principal vilã da saga é do sexo feminino, a feiticeira Cuca.
Monteiro Lobato escreveu também alguns livros interessantes para adultos e enfrentou alguns problemas com eles. Teve até um livro proibido e queimado por defender nele ideias que diziam que o petróleo brasileiro deveria ser mais valorizado pelo governo da época. Um homem de muita visão!
A obra do autor entrou em domínio público e, certamente, você encontrará nas livrarias várias edições muito bem cuidadas e interessantes desses livros.
Selecionamos alguns dos títulos de Monteiro Lobato para crianças para você se divertir com seus filhos.
Boas aventuras!
Reinações de Narizinho
A Chave do Tamanho
Caçadas de Pedrinho
História do Mundo para Crianças
Histórias de Tia Nastácia
Geografia de Dona Benta
O Poço do Visconde

UM CONTO DE NATAL: “O SEGREDO DO PAPAI NOEL!”

Por Beautyslime

O nosso blogue desta semana traz um presente especial para você e para sua família: um conto de Natal exclusivo para você ler com os seus filhos!
No conto, a partir da figura mágica do Papai Noel, você poderá refletir com os pequenos sobre a magia do Natal, a importância do amor e da amizade… E especialmente sobre o quanto é importante acreditar na força transformadora da magia.
Ler para as crianças e celebrar os símbolos do Natal são dois momentos em que o amor e a possibilidade de entendimento estão em primeiro plano.
É isso o que desejamos para todos: que o Natal desperte nos corações e mentes a possibilidade de espalhar amor e de promover o entendimento!
Feliz Natal!
“O segredo do Papai Noel!
Todo mundo sabe que o Papai Noel é aquele velhinho simpático, de barba branca, vestido de vermelho, com um saco enorme jogado nas costas… Que percorre o mundo na noite de Natal em um trenó, distribuindo os presentes que as crianças pedem por meio das cartinhas que enviam para a casa dele.
Muita gente também sabe que a casa do Papai Noel fica da Lapônia, uma cidade da Finlândia, o país no extremo Norte do mundo onde tem neve até na primavera.
Claro que as crianças sabem que a casa dele fica na Lapônia! Se não, como é que elas enviariam suas cartinhas, não é?
Mas pouca gente sabe o que faz o Papai Noel conseguir dar a volta no mundo inteiro em uma só noite e atender aos pedidos de todas as crianças que escrevem para ele.
Você sabe o que é?
Será que é porque tem um monte de gnomos e duendes superlegais e que ajudam o Papai Noel durante o ano, fabricando os brinquedos, fazendo os pacotes e respondendo as cartinhas?
Ou será por causa do Rudolph, da Dasher, da Dancer, da Prancer, da Vixen, do Comet, do Cupid, do Donner, do Blitzen e do Bernard… Você sabe quem são o Rudolph, a Daxer e a Dancer… Não sabe?
Se ainda não sabe, vai saber agora: as renas voadoras do Papai Noel!
Será que é porque as renas voadoras puxam o trenó do Papai Noel a uma velocidade muito rápida?
Aliás, sabe como elas conseguem ser tão rápidas? É por causa do super líquen mágico que os duendes e gnomos colhem na primavera para alimentar as renas no inverno.
Ah… Então, é por isso? O Papai Noel consegue dar a volta ao mundo em uma noite por causa do líquen mágico?
Em parte, sim, mas isso não é o mais importante.
Afinal, por que é então?
É simples: porque você acredita e confia nele! E faz a sua parte, ajudando a espalhar coisas boas e ideias legais pelo mundo.
Você fazendo a sua parte, o Papai Noel sempre fará a dele!
Feliz Natal!”

QUE TAL DAR PRESENTES DESPLUGADOS NO NATAL?

Por Beautyslime

Nesse momento, às vésperas do Natal, a maioria das crianças deve estar bombardeando seus pais ou o Papai Noel, a depender da idade delas, com o pedido do presente de Natal.
Não é preciso ter bola de cristal e nem realizar pesquisas comportamentais para saber que, na maioria dos casos, esses “objetos de desejo” se alimentam de uma energia elétrica que carrega baterias e faz com que a mágica do brincar se realize na palma das mãos dos pequenos, por meio de um novo aparelho divertido, desafiador… E eletrônico!
Na verdade, na lista da maioria dos adultos, o que impera também é o desejo pelo novo celular, ou laptop ou algum outro aparelho que vai deixar a vida mais ágil, conectada e eletrônica.
Que tal pensar de uma maneira mais orgânica e propor aos seus filhos, para o próximo Natal, um presente tão divertido e desafiador quanto um brinquedo eletrônico, mas que é movido pela energia de quem brinca e recarregado a partir da sua capacidade de se divertir com ele?
A depender da sua idade e do grau de apego aos presentes que ganhou, talvez você mesma tenha no fundo de um armário ou no canto de um quartinho as primeiras bonecas e suas roupinhas ou os itens da cozinha que ganhou e com a qual você tomou gosto para criar receitas maravilhosas.
Nos cantos da casa também podem estar os primeiros carrinhos e o posto de gasolina de seu marido; ou ainda os jogos de tabuleiro de ambos.
E onde estão seus primeiros aparelhos eletrônicos?
A não ser que você seja uma colecionadora, pode ter certeza que não terá tido o mesmo cuidado de guardar, por exemplo, os primeiros celulares ou tocadores de CD portáteis.
Sabe por quê? Porque esses aparelhos não são a “diversão em si”, eles apenas servem de objeto para você se conectar, ouvir música, jogar e se divertir. Assim que comprar o novo celular, provavelmente, você nem se lembrará mais dos detalhes do aparelho anterior.
Agora, a sua memória afetiva sempre se lembrará com carinho da magia que se dava a cada troca de roupa da boneca ou quando uma receita culinária dava certo. Esses brinquedos e brincadeiras criam links afetivos muito mais duradouros.
Mas voltemos a falar sobre as crianças!
Os “brinquedos artesanais”, e incluímos nessa ideia todos os brinquedos que não precisam de energia elétrica e que proporcionam a diversão por si só, sem precisar conectar alguém à nuvem ou redes de jogadores… Esses brinquedos, além de divertirem, são fundamentais para estimular o desenvolvimento cognitivo e a capacidade motora das crianças.
E mais: entre outras coisas, convidam a protagonizar ações, a buscar alternativas próprias para enfrentar desafios e fortalecem a autoconfiança e a autoestima.
Aprender a cuidar de um brinquedo é um grande aprendizado para as crianças. Sem contar que, na maioria dos casos, eles são feitos de material orgânico e não consomem de forma constante os recursos naturais do planeta, como a água que gera a energia elétrica.
Que tal chamar a atenção dos pequenos para experiências como encaixar peças de um quebra-cabeça? Harmonizar as cores ou forma de cubos? Sociabilizar com amigos e a família nos jogos de tabuleiro? Ou jogar pião, brincar de boneca ou de carrinho… Jogar dominó… Jogar bola… São centenas de opções!
Existem brinquedos artesanais para todas as idades, sexos, temperamentos e orçamentos!
Certamente, essa experiência não irá desconectar a atenção dos seus filhos de forma definitiva e nem é essa a ideia da nossa sugestão. Apenas chamar a atenção para o fato de que existem muitas outras formas legais de se divertir para além das telas.
Que tal tentar pensar nisso com a mente desplugada?
Feliz Natal!